Abrir Menu

Mobilidade e movimento BYOD

Por Ana Beatriz Ferreira

Reverbera-se cada vez mais a ideia de que as empresas bem-sucedidas no mercado contemporâneo devem investir em três fatores: soluções em nuvem, redes sociais e mobilidade. Em relação a este último conceito, mais especificamente, surgiu em 2009 a sigla BYOD (Bring your own device, em inglês) ou “Traga seu próprio dispositivo".

A questão, neste caso, interessa principalmente no que diz respeito à produtividade. Trata-se de uma forma de permitir ao profissional que este realize suas funções em um dispositivo pessoal, seja PC, smartphone ou tablet. Mais familiarizado, assim, e capaz de se conectar às informações necessárias de qualquer lugar em que esteja, esta acessibilidade otimiza os processos de trabalho. Entre exemplos de aplicativos que permitem a vivência, Microsoft Dynamics CRM Online e Office 365.

Ainda recente, o movimento BYOD tem se mostrado em expansão. Em pesquisa global realizada pela Gartner no primeiro semestre de 2013, já surgiam apontamentos de que, até 2016, 38% das companhias esperam não oferecer dispositivos a seus funcionários, que já terão incorporado os seus ao ambiente de trabalho.

Com a mobilidade, de forma geral, configurações, aplicativos e dados são acessíveis instantaneamente. Mesclada à presença nas redes sociais, as experiências móveis permitem um conhecimento mais aprofundado sobre características do público-alvo com o qual se lida. Ademais, a grande oferta de ferramentas para realizar reuniões e estar em contato frequente com clientes e companheiros de equipe possibilita uma expansão global dos negócios, interessante a diversos segmentos do mercado.

Para as empresas, enfim, os ganhos com BYOD incluem, como já mencionado, o aumento da produtividade e a redução de alguns custos com compra e manutenção de equipamentos. Por outro lado, é necessário que estejam delimitadas as regras de realização deste método de trabalho, de modo a habilitar diferentes tipos de dispositivos sem comprometer a segurança da proteção de dados e controlar os gastos com TI para manter suporte a todos os profissionais que se utilizam da filosofia “Traga seu próprio dispositivo”.