Abrir Menu

Gestão de Land Banking em CRM

Por Ana Beatriz Ferreira

Na área de Construção, uma das práticas mais recorrentes, em escala mundial, é a do land banking. Vinda da iniciativa privada ou do próprio governo, como é comum nos Estados Unidos, consiste basicamente na aquisição de terrenos cujas características territoriais, geográficas e topográficas sejam atraentes para loteamento e venda no futuro, com grande margem de lucro.

Traduzido muitas vezes como “estoque de terrenos”, o termo envolve especulação comercial e está diretamente ligado ao desenvolvimento urbano. Investidores e, no caso, construtoras avaliam áreas que tenham potencial para que se tornem bons negócios, de modo a gerar valor geral de venda (VGV) às empresas, fator responsável por aumentar seu impacto econômico. Para que as transações ocorram, entretanto, há um esforço coletivo na equipe profissional que engloba vendas, gestão de negócio, atendimento ao cliente e marketing, departamentos essencialmente ligados a CRM.

Desta maneira, uma solução de Gestão de Relacionamento com o Cliente para uma construtora, por exemplo, deve apresentar elementos específicos que auxiliem na administração dos processos comerciais e compilem os terrenos, em seus diferentes níveis de compra ou de especulação.

Ao optar por uma implantação, o empresário do setor de Construção pode ter ganho de lucros e de produtividade com algumas das ferramentas oferecidas com base em um software adaptável às demandas do mercado, como Microsoft Dynamics CRM. Oferecida pela Futurum, a solução lida, em land banking, com cobertura completa do processo, o que inclui a avaliação inicial do terreno, além de gerenciar lotes e fazer um controle da viabilidade de negócios em prospecção.

Além disso, com as técnicas já familiarizadas para quem lida com CRM de estar atento à forma com a qual os clientes respondem às iniciativas e campanhas, as construtoras obtêm ganhos reais, que não se limitam ao capital, porém auxiliam também a conquistar a tão almejada confiança daqueles com os quais se faz negócio.

Fontes de apoio: CRECI - MG / Sociedade Internacional