Abrir Menu

Pós-venda e fidelização de clientes em Turismo

Por Ana Beatriz Ferreira

Com as tecnologias proporcionadas pelo crescente avanço digital, prospectar se tornou a prioridade de uma boa parte das empresas, as quais dedicam seus esforços de marketing à divulgação de anúncios em grandes portais e à distribuição de apresentações, e-bookse materiais multimídia no intuito de ter acesso a uma lista de e-mails e contatos qualificados.

Tais estratégias, de fato, são imprescindíveis para que as empresas de turismo, num setor naturalmente competitivo, possam atrair a atenção de clientes em potencial. Seja com pacotes de viagens econômicos, programas luxuosos ou expedições de nicho, cativar público qualificado é sempre uma prioridade. Mantê-lo, entretanto, como rege a Gestão de Relacionamento com o Cliente, deve estar ainda acima nos objetivos da empresa.

Entre as técnicas que frequentemente podem ser neglicenciadas ou praticadas de forma pouco aperfeiçoada, o pós-venda merece atenção. O processo de comercialização de um produto, afinal, envolve também as reações que os clientes têm a ele, entre nível de satisfação e registro direto de reclamações a canais que ajam com eficiência e demonstrem comprometimento, além de prontidão no momento de atender.

No caso de agências de turismo, é fundamental que os profissionais estejam preparados para estreitar os laços de negócios ao transmitir confiança numa conversa com os clientes sobre como foi a viagem, quais foram os melhores aspectos dela e propor, desta maneira, vendas futuras. Com ou sem um departamento específico para geri-lo, o que varia conforme o tamanho da empresa, o pós-venda bem executado pode se caracterizar por visitas agendadas, telefonemas ocasionais ou mesmo por questionários enviados via e-mail e redes sociais, os quais se adéquam a públicos que dispõem de menos tempo livre.

Tanto em viagens de lazer quanto em corporativas, a técnica auxilia a agência de turismo a se certificar de que o trabalho de um determinado fornecedor tem credibilidade, de que a equipe comercial tem feito bons negócios e de que a própria empresa, numa visão macro, tem sido bem-sucedida ao disseminar sua marca. Mais que isto, pesquisas de satisfação bem conduzida podem gerar novas iniciativas que colaborem com o crescimento e renovem a identidade da agência.

Fidelizar clientes, desta maneira, se torna uma meta mais próxima das expectativas reais da empresa. Permanece aqui a máxima, enfim, de que os compradores, uma vez bem atendidos – em todas as etapas envolvidas na compra – poderão se tornar replicadores de qualidade a outros clientes em potencial.